O novo guru brasileiro

A Revista Piauí promove todos os meses o retumbante concurso literário Encaixe a frase. A do último certame foi “Ricardinho era o rei do pedaço; mandava soltar, mandava prender” e o ingrediente improvável, que também precisava estar no texto, era “Biotônico Fontoura”.

Aqui está o texto que enviei. No final, link para os vencedores.

O novo guru brasileiro

Ricardinho é um guru de merda ou, como ele prefere ser chamado, BioMestre, termo criado pelo marketeiro Lorenzo Henrique, nome (fake, ele não revela o de nascimento) em ascensão na Faria Lima. Lorenzo diz que “buscou inspiração” nas palavras “mestre” e “Biotônico Fontoura”, líquido que já foi o terror das criancinhas, na década de 1980. Mas que, ao que parece, também recebeu o selo de vintage e é artigo indispensável nas pochetes holográficas dos seguidores do guru. Encantado pelo método do BioMestre, de quem se tornou discípulo, o marketeiro orientou o “oráculo do intestino” a também adotar um fake name de inspiração hindu, alegando que lhe traria frescor (por ser fake) e valor agregado (por ser exótico). Mas Ricardinho preferiu ficar só com BioMestre mesmo.

Adorado pela camada endinheirada da sociedade que entende saúde como #autocuidado que gera #engajamento e que já não se sente representada por labels como “gluten free”, antigo hype alimentar, o guru conquistou corações e intestinos. Seu foco de ação parte do princípio de que existe um chakra central ou torre de comando do corpo humano: o sistema digestivo. Mais fiéis que crossfiteiros, veganos e adeptos dos celulares Xiaomi, seus seguidores garantem que mesmo antes da nova onda do “intestino preso dia sim, dia não”, Ricardinho era o rei do pedaço; mandava soltar, mandava prender. Mas a verdade é que seu nome se tornou popular no Google e no Trending Topics do Twitter principalmente depois que o cocô entupiu o noticiário nacional.

Com adeptos famosos, inclusive nos mais altos (hierárquicos, não intelectuais) escalões da política nacional, o BioMestre está abrindo franquias em todo o país. O método de Ricardinho, que seus advogados trabalham para patentear, reúne exercícios pélvicos, aeróbicos, alimentares, meditação e yoga, combinados a emissões de opiniões no Twitter. As sessões são alternadas, um dia para soltar e outro para prender o intestino, afirma o BioMestre, que recentemente ganhou de presente um passaporte diplomático, por seus “serviços à preservação do meio ambiente”. As sessões que envolvem o Twitter são sempre nos dias de soltar. As de meditação, nos de prender.

Além da patente, os advogados do guru andam ocupados defendendo seu cliente em ações judiciais movidas por cientistas, nutricionistas, ayuverdas, educadores físicos e até por Bela Gil, que diz que já ensinava a receita de água com sal em jejum antes mesmo de virar modinha, em seu canal no Youtube. A defesa do BioMestre alega que as contestações vêm de pessoas enfezadas. As críticas ao novo guru nacional, que é tratado pela imprensa como “polêmico”, não têm sido suficientes para desestimular seu séquito, que permanece fiel e numeroso. E Ricardinho já proclama a quem quiser ouvir que seu império durará mais do que deseja a Netflix, que tem apostado em filmes e séries documentais sobre o lado b de famosos gurus que caíram em desgraça.

Para ler os vencedores, acesse:

https://piaui.folha.uol.com.br/materia/versateis/

Roteirista e jornalista

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store